Área restrita

Notícias

Papel de parede ressurge com força como opção de acabamento

Papel de parede ressurge com força como opção de acabamento

O Dia

Sucesso na década de 1970 e 1980, o papel de parede perdeu status e ficou esquecido por algum tempo até que retornou com força total. “As pessoas enjoaram da pintura, que é muito monótona, sem nuances e desenhos”, afirma o arquiteto Marcos Jordão.

Para a arquiteta e designer Aline Cobra, o papel de parede é uma solução rápida e prática. “Ele valoriza as paredes e permite mudar a cara dos ambientes com rapidez, além de ser possível misturar dois tipos, aumentando as possibilidades de decoração”.

Ao contrário do que acontecia nas décadas passadas, hoje pode se contar com uma imensa gama de padronagens, imagens, desenhos, fotos e listras, feitos com base em diferentes materiais como vinil, fibras naturais, camurça e seda. “Há alguns modelos nacionais, mas a qualidade deles é inferior aos importados, são mais simples e com desenhos mais básicos”, diz Geisa Cardoso, gerente de vendas da Casa do Papel de Parede.

No exterior, já existe até mesmo papéis de parede em 3D, com diferentes formas e padronagens que parecem saltar da parede. Trata-se da linha “Off the Wall”, projetada pela designer Kicki Edgren Nyborg, para a Kredema Design. A ideia era fazer um papel de parede que tenha uma função além da decoração. Eles podem se transformar numa prateleira ou luminária.