Área restrita

Notícias

Preço dos aluguéis fica estável no Rio de Janeiro e em São Paulo

Preço dos aluguéis fica estável no Rio de Janeiro e em São Paulo

Jornal Nacional

Nos últimos cinco anos, o mercado de aluguel de imóveis, no Brasil, teve uma valorização de 200%. Foi um período muito difícil para milhões de inquilinos, especialmente em metrópoles como o Rio de Janeiro e São Paulo. Mas a notícia boa é que os analistas do mercado estão anunciando um período de preços estáveis, daqui para frente.

É uma boa notícia para quem procura casa ou apartamento para alugar, no Rio e em São Paulo. Depois de cinco anos de ascensão meteórica, os aluguéis começam a dar sinais de cansaço.

Se os investimentos para a Copa e os Jogos Olímpicos, e os financiamentos mais fáceis elevaram os preços às alturas, agora a inflação e o grande número de imóveis estão freando a subida.

“Alguns proprietários, investidores de imóveis, que compraram os imóveis naquele alto, naquela alta, passaram a colocar aqueles imóveis para alugar e isso aumentou esta oferta”, explica Leonardo Schneider, vice-presidente Secovi Rio.

No Rio, o tempo médio para fechar negócio dobrou, passou de 30 para 60 dias. E a procura por imóveis para alugar caiu 15% nos últimos seis meses.

Segundo um levantamento da fundação instituto de pesquisas econômicas, de agosto para cá o valor médio de locação na cidade deixou de subir pela primeira vez desde junho de 2010.

Em São Paulo, a situação é mais estável. Houve uma ligeira retração em setembro e em outubro. Mas em dezembro, o valor médio voltou a subir na capital paulista.

Não é que os preços dos aluguéis estejam caindo. As entidades do setor de habitação dizem que é o momento é de acomodação, de ajuste. O que não deixa de ser bom para o inquilino, porque com o mercado menos aquecido ele tem maior poder de barganha.

“Você tem várias ofertas, você tem mais opção para o inquilino. Facilita nesta questão de você negociar, você poder ver com mais tranquilidade um imóvel que esteja mais dentro das suas possibilidades. Pode haver descontos, pode haver flexibilidades por parte do proprietário”, diz Leonardo Schneider, vice-presidente do Secovi Rio.

É o que a brasiliense Daniela Oliveira espera. Ela chegou ao Rio no início do mês, e desde então tenta alugar um quarto e sala. Mas apesar de mais baixos, para ela, os preços dos aluguéis continuam caros.

“Tem vários. Vários têm, a valores absurdos, mas tem. Vou continuar procurando”, comenta Daniela Oliveira.