Área restrita

Notícias

Para entidade de defesa do consumidor, cartão aluguel da CEF seria venda casada

Para entidade de defesa do consumidor, cartão aluguel da CEF seria venda casada

Nova modalidade de fiança da Caixa Econômica, o cartão aluguel ainda está em fase piloto, mas já provoca reboliço no mercado. A novidade, mais barata que o seguro, promete ser uma saída para quem não quer intimar parentes e amigos a ser fiador. Mas existem senões. Um deles seria a prática da venda casada, quando o cliente é obrigado a adquirir um bem para levar outro. Explique-se: não é possível ter o cartão somente para a função de pagamento de aluguel — ele também terá um limite para compras nas lojas comerciais. É o que mostra reportagem de Luciana Calaza, publicada no Morar Bem deste domingo.

O cartão terá anuidade de R$ 96, a ser quitada em 12 parcelas de R$ 8, seja qual for o valor do aluguel, mais taxa de 6,67% ao mês — que incidirá somente sobre o pagamento de aluguel. No caso de uma locação de mil reais mensais, a fiança sairia para o inquilino por R$ 900 ao ano (90% do valor do aluguel, neste caso).

Para Maria Elisa Novais, gerente jurídica do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), se o cliente tivesse a opção de bloquear a função crédito para compras, tudo estaria ótimo. Mas não há essa possibilidade.

— Tecnologia não falta para isso, basta a instituição querer — diz Maria Elisa.

O advogado Eurivaldo Neves Bezerra, especialista em direito do consumidor, concorda:

— É compreensível que os inquilinos queiram adquirir o cartão aluguel, já que ele tem benesses em relação às demais garantias, mas para isso ele é obrigado a ter um limite pré-aprovado. E isso é venda casada.

O superintendente nacional de Negócios com Cartões da Caixa, Milton Krüger, afirma que não existe a venda casada: o banco estaria oferecendo um cartão de crédito comum que inclui, como bônus, a funcionalidade de pagamento de aluguel.

— Não estamos vendendo a garantia de fiança e sim um cartão de crédito, com as mesmas condições e taxas que a instituição já praticava, mas que dá ao inquilino a possibilidade de ativar a função de pagamento de aluguel. E sem custo para isso, pois ele só vai pagar a taxa de manutenção de aluguel, caso use o produto com esse fim. Da mesma forma que tem gente que adere a um programa de pontos no seu cartão, e adere quem quer.

A seguir, como funcionará o cartão aluguel:

AQUISIÇÃO: O inquilino poderá adquirir o cartão em agências da CEF e imobiliárias credenciadas. Renda mínima exigida: mil reais.

MODALIDADE:Terá as bandeiras MasterCard e/ou Visa, na modalidade internacional. Além de oferecer a linha de aluguel, funcionará como um cartão de crédito comum, tendo dois limites independentes: o de aluguel e o rotativo.

CUSTO: O cartão aluguel pagará anuidade de R$ 96 (a ser quitada em 12 prestações de R$ 8) mais taxa de manutenção de 6,67% ao mês. O cliente poderá optar entre três datas de vencimento: 6, 18 e 26.

Fonte: Extra