Área restrita

Notícias

Alta do custo da construção reduz aceleração

Alta do custo da construção reduz aceleração

Medido pelo Instituto Brasileiro de Economia (Ibre), da Fundação Getulio Vargas (FGV), em agosto o Índice Nacional de Custo da Construção – Mercado (INCC-M) registrou variação de 0,22%, mostrando desaceleração na velocidade de correções de preços, na comparação com 0,62% verificado no mês de julho. Calculada a média obtida de janeiro a agosto deste ano, o índice ficou em 6,18%, acumulando 6,80% nos últimos 12 meses.

Com 0,10% inferior ao mês anterior, em agosto o índice de materiais, equipamentos e serviços subiu 0,38%. No acumulado do ano, o custo médio elevou 4,51% e, nos últimos 12 meses, 5,18%. Neste acumulado, continua representando peso maior a contratação de pedreiros e outros profissionais, tendência que dá sinais de recuo.

Na comparação com os resultados de julho, foi expressivo o decréscimo do custo da mão de obra, passando de 0,77% naquele mês, para 0,06% em agosto. O resultado mais expressivo foi verificado em Porto Alegre, RS, onde a taxa relativa à mão de obra caiu de 4,24%, para 0,23%. Desde janeiro, a taxa acumula alta de 8,02%; e de 8,57% nos últimos 12 meses.

Na média, o custo da construção civil subiu em duas capitais: Belo Horizonte (de 0,08% para 0,44%) e Rio de Janeiro (de 0,25% para 0,40%). A única capital com oscilação negativa foi Recife (-0,04%), que registrou alta de 0,39% no mês anterior. Nas demais capitais, as variações ocorreram em índices abaixo da apuração anterior: Porto Alegre, de 2,26% para 0,20%; São Paulo, 0,29% para 0,20%; Salvador, 0,18% para 0,13%. A FGV aponta queda também em Brasília: de 1,64% para 0,16%.

Fonte: R7